Outsourcing de Tecnologias de Informação

Longo foi o caminho percorrido, um pouco por todo o mundo e particularmente em Portugal, desde que se começou a falar de outsourcing. No início, mais ou menos há 60 anos, a desconfiança face ao serviço e o descrédito relativamente às vantagens e capacidades de quem o desempenhava, levavam a que este serviço fosse considerado uma atividade de baixo valor. Uma atividade pouco relevante e que em nada contribuía para a performance daqueles que eram considerados os serviços bandeira de uma qualquer empresa.

Nos dias que correm, a relevância dos serviços de outsourcing ganhou uma nova dimensão. A mudança de mentalidade e de perceção destes serviços não poderia estar mais distante da inicial. A competitividade levou a que as empresas se focassem no essencial, alocando os seus recursos ao core business, delegando as atividades paralelas, mas fundamentais, a terceiros, com a convicção de que estes realizam o trabalho com a mesma qualidade e entrega que os próprios colaboradores.

O outsourcing, hoje em dia, representa uma forma de gerir, garantir e promover a eficiência, a segurança, a rapidez e, inclusive, a otimização de custos das organizações.

A área das Tecnologias de Informação é uma das quais onde mais se verifica este serviço. Quem nos procura, sabe que vai encontrar um serviço prestado por profissionais qualificados, certificados e atualizados, que podem reforçar as suas organizações com capacidade técnica e produtiva.

Mas, apesar de ser uma tendência, o outsourcing ainda gera desconfiança. A incerteza face às capacidades do prestador de serviço, custos imprevistos, são entendidos como riscos associados. Contudo, a verdade é que não existe um negócio sem riscos, mesmo que não se recorra ao outsourcing. A experiência tem demonstrado que, acima de tudo, as vantagens superam os riscos e prevalecem sobre qualquer desvantagem.

Entre as vantagens, destacamos, por exemplo, a libertação de recursos internos, ao nível humano, técnico ou financeiro, para o desempenho exclusivo da sua atividade, foco no serviço ao cliente, recurso a know-how externo para o desempenho de atividades não existentes na organização, transformação de custos fixos em variáveis, através da redução de custos operacionais, garantindo ainda um maior e melhor controlo do orçamento.

Estes são apenas alguns exemplos, entre muitos que temos vindo a testemunhar ao longo das quase duas décadas de outsourcing em TI na Rumos.

Rui Reis

Diretor Rumos Serviços